Santo Eusébio: O Cenóbio Eusébiano

Santo Eusébio de Vercelli necessitava de coordenadores que se aproximassem do povo, seja nas cidades sejam nas zonas rurais, sem distinção de condições sociais, para poder anunciar o Evangelho e atraí-lo a Cristo, formando assim comunidades cristãs bem organizadas.


Próximo à Catedral reuniu em vida comum, sob a sua guia, aspirantes ao sagrado ministério e futuros sacerdotes. Assim teve inicio o “Cenóbio Eusebiano” distinto dos mosteiros surgidos há tempo no Oriente, estes formados por leigos com a finalidade de santificar-se.

Foi chamado “Cenóbio Eusebiano” porque esta instituição vercellense, reservada exclusivamente aos clérigos de qualquer ordem ministerial, foi a primeira a surgir em Ocidente seguida depois por outras, entre as quais a mais famosa foi fundada na África por Santo Augustinho.

Santo Eusébio estava convencido que seus cenobitas precisavam de uma profunda vida interior, alimentada pela oração pessoal e comunitária, pelo estudo da Sagrada Escritura e por uma experiência de vida fraterna, em vista da missão que os esperava.

Além disso os cenobitas deviam conhecer com clareza a doutrina da fé enraizada profundamente no mistério da Unidade e Trindade de Deus.

Eusébio e seus cenobitas realizaram a primeira tradução do grego para o latim dos quatro evangelhos e dos salmos.

O Cenóbio Eusebiano continuou por muito tempo e tornou-se viveiro de grandes santos, dele saíram muitos bispos para outras cidades, como: Limenio e Honorato sucessores de Eusébio em Vercelli; Gaudêncio para a cidade de Novara; Máximo para Torino; Inocenzo e Esuperanzio para Tortona; Eulogio para Ivrea; Eustasio para Aosta. Também as Igrejas da Ligúria, da Emilia e de Veneza, segundo o testemunho de santo Ambrosio, costumavam dirigir-se ao Cenóbio Eusebiano para pedir seus Bispos.

Este fato coloca Eusébio de Vercelli, fundador do Cenóbio, entre as personagens mais eméritas da Igreja de Cristo.

Leia também